domingo, 27 de janeiro de 2013

A TRISTEZA E A HIPOCRISIA

 

Um dos questionamentos que me parece inevitável na vida é como entender e mensurar a dor. Como lidar com ela? É possível enxergá-la como normal?

Hoje, o país acordou com a trágica notícia da morte de pelo menos 230 cidadãos brasileiros em uma casa noturna em Santa Maria (RS) em virtude de um incêndio no local. Lá ocorria um evento de estudantes universitários.

Fico imaginando, como os familiares dos mortos podem seguir suas vidas com tamanha tragédia? Quantos pais nesse momento sofrem diante da perda de parte de cada um deles?

Ao contrário do que o PIG pratica desde sempre fomentando o sensacionalismo diante da tragédia junto a busca e o julgamento dos culpados, acredito que o momento é de socorro aos que conseguiram sobreviver e de conforto aos familares que perderam seus entes queridos.

Junto a isso, dentro do devido processo legal, é necessário abrir investigações e lembrar que em um fato com essas dimensões certamente houve uma sucessão de erros e irresponsabilidades desde a existência ou não de alvará para o funcionamento do estabelecimento até a denúncia feita por sobreviventes sobre a interdição das portas de acesso à rua por parte dos seguranças da casa para que ninguém saísse sem pagar.

Infelizmente, essa é uma possibilidade real diante de uma sociedade que tem por objetivo maior a obtenção do lucro deixando vidas humanas em segundo plano. É apenas mais um exemplo da institucionalização da violência. Nos acostumamos com ela. Deixamos de ter parâmetros para reconhecer onde ela está e como ela age.

Diante dessa tragédia assisto à Presidente Dilma se deslocar do Chile e cancelar encontros bilaterais com Argentina, Letônia e Bolívia para ir até Santa Maria e acompanhar de perto os desdobramentos do lamentável fato. Além disso, manifestou oficialmente a sua tristeza e todo o apoio necessário às vítimas. Chegou a chorar. Até aí, é possível compreender a importante atitude da chefe da nação.

Por outro lado, infelizmente, é inevitável verificar que a mesma atenção não é dada, por parte da Presidente, a casos tão trágicos como o ocorrido na madrugada de hoje só que daqueles que são invisíveis para a sociedade. Aqueles que a dignidade não abraça.

Alguns questionamentos surgem entre os poucos neurônios da mente deste blogueiro:

Onde estava Dilma no caso Pinheirinho por exemplo? Por que se omitiu não se manifestando oficialmente? Por que o governo federal que poderia ter resolvido o problema e evitado o massacre não o fez?
Por que não era interessante eleitoralmente se pronunciar contra o "governo" tucano em São Paulo? 
A resposta seria que a tragédia de hoje ocorreu com filhos da classe média e não com cidadãos pobres esquecidos pelo Estado brasileiro? Ela teria a mesma atitude se o mesmo ocorresse em um baile funk de uma comunidade carente?

Se existem ou não respostas a essas perguntas, não há como deixar de reconhecer que para Dilma nem toda tragédia faz com que ela fique sensibilizada, como afirmou estar hoje ao ter conhecimento do ocorrido em Santa Maria.

Onde está o seu posicionamento emocionado, com choro e contudência diante de diversos massacres realizados pelo Estado contra lutas e movimentos sociais?

Até quando assistiremos a representantes eleitos pelo povo utilizando dois pesos e duas medidas diante dos direitos garantidos constitucionalmente a qualquer cidadão brasileiro?

Não há meio choro! Não há meia emoção! Em um Estado Democrático de Direito, no mínimo, a Presidente tem o dever de agir com igualdade diante de todos nós!

SIGA O BLOG NO TWITTER!

18 comentários:

  1. No dia que expulsaram mais de 3 familias que viviam em sua cidade no baixo araguaia pra dar terras pros indios ela nao chorou naum ficou muda essa vaca dessa dilma...

    ResponderExcluir
  2. Infelizmente a dignidade da pessoa humana esta em ter e nao ser pessoa humana. A classe operaria muitas vezes e vista como escoria e refugo, que atrapalham e estilhacam a vitrine para que a burguesia reine absoluta em prol do seu unico e exclusivo bem estar social e material.

    ResponderExcluir
  3. Concordo em gênero, número e grau com a reflexão ora posta. Entretanto, creio que seria extremamente oportuna E NECESSÁRIA em outra ocasião - um pouco mais tarde - para torná-la mais contundente e, quem sabe, mais bem avaliada e bem recebida por cabeças pensantes e conscientes da realidade brasileira atual. Não pretendo polemizar - NEM MINIMAMENTE com este autor, que admiro, apoio e sigo como um grande blogueiro progressista e comprometido com as causas do povo brasileiro. Todavia, apenas sou convencido de que a reflexão de agora não terá a devida e NECESSÁRIA RESSONÂNCIA. Como um último argumento sugiro que retome a publicação NA ÍNTEGRA dessa reflexão sensata e coerente, plena de discernimento, em outro momento, mais tarde - talvez daqui a um mês, por exemplo. REPITO: o objetivo desse comentário é apenas tentar colaborar com a saga desse blogueiro. Algumas atitudes nossas podem estar carregadas de algum sentimento que nos leva a ímpetos desnecessários e inoportunos. Saúde!!! Saluti!!! Salud!!!

    ResponderExcluir
  4. Rodrigo, seu post infelizmente me mostrou que a hipocrisia também circula na blogosfera. Comparar a tragédia de Santa Maria, com 245 vitimas fatais a desapropriação da comunidade de Pinheirinho.
    O sensacionalismo do seu texto, mostra a sua fragilidade e imaturidade política.
    Dilma sempre se mostrou solidária as familias de Pinherinho, deslocando representantes do Governo Federal para acompanhar a situação. Nosso senador Eduardo Suplicy esteve sempre presente e repassando todas as informações que a presidente Dilma precisava. E mais um detalhe, o desapropriamento foi uma ordem JUDICIAL, e você como advogado sabe que a esfera era estadual e municipal.
    Fico triste em saber que usou as vitimas de Santa Maria para destilar seu rancor e tentar acusar levianamente a Presidente Dilma de omissa.
    Não aceito este tipo de posicionamento de quem quer que seja, porque isso é se promover em cima de uma tragédia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezada Kátia,
      não critico a atitude da Dilma hoje mas sim a falta dela em tantas outras tragédias. A Dilma nunca oficialmente se pronunciou em apoio aos moradores e contra o massacre do Pinheirinho e muito menos apareceu por lá pessoalmente. Essa afirmação, com todo o respeito, demonstra a sua "fragilidade e imaturidade política". Estranho o posicionamento da Presidente em tragédias de formas diferentes. Apenas isso. Sobre a questão legal, vale lembrar que cabe a esfera federal agir sim. Não utilizo no texto vítimas de uma tragédia para promoção. O meu questionamento, e o texto são bem claros nisso (talvez fosse interessante você reler). Parece que quem pratica isso é a Presidente, infelizmente. Sobre rancor e leviandade, não há razão para tal afirmação. Sou eleitor dela e continuo apoiando o seu governo mas isso não faz com que eu me permita cegar diante de determinados fatos. Isso sim é ser leviano e até rancoroso.
      Respeito a sua opinião mas não concordo. Bjs.

      Excluir
    2. Caro Rodrigo,
      A situação de Pinheirinho era jurídica. Misturar as situações, é sim agir de forma leviana.
      A Presidente se pronunciou sim sobre a questão de Pinheirinho: http://advivo.com.br/blog/luisnassif/dilma-sobre-pinheirinho-nao-foi-acao-policial-e-barbarie
      Ela em nenhum momento foi omissa, como seu texto sugere. A Presidente tem pessoas competentes, Ministros e Senadores para acompanhar o caso. Eu acompanhaei tudo, você esteve presente. Agora uma Presidente não pode agir com arbitrariedade e passar por cima de leis e ações na justiça. Todo acompanhamento que competia a ela, ela fez.
      A comparação com uma tragédia, e uma desocupação é infundada. Rodrigo, fazer um levante contra a Dilma eu espero do PIG, como a charge do Globo, mas não de um blogueiro e advogado progressista.
      Não estou pedindo para vc ser chapa branca, seria até demais, mas pedir bom senso, porque seu texto extrapolou tudo.Ler vc e ler o Noblat, não difere em nada. Mas ele é PIG e vc?? Reveja seus conceitos.
      Abraços,
      Katia

      Excluir
    3. Katia,

      não entendo que exista diferença. São tragédias ocorridas com seres humanos e cidadãos brasileiros.
      O pronunciamento que você coloca no link é "de passagem" ou protocolar dentro de um outro evento. Existiram tentativas de negociação por parte do governo federal mas ao final terminou com um massacre. E aí? Onde está a Presidente com uma manifestação pessoal a respeito? Não aparece porque não teve a comoção constuída pelo PIG. Caso contrário estaria presente. Ela "dança" de acordo com a pauta dos velhos meios de comunicação(o poder!). Basta analisar caso por caso. Esse é o ponto.
      Eu também acompanhei tudo e pessoalmente, incluindo bastidores do caso e posso lhe garantir que há e muita diferença do caso em Santa Maria com inúmeros massacres Brasil afora com relação a manifestações públicas dela (não só o do Pinheirinho). Por isso os meus questionamentos. Até hoje as famílias não possuem casa para morar! Onde está a chefe do Estado Brasileiro?
      Em nenhum momento ela agiria com arbitrariedade passando por cima de nenhuma lei. Pelo contrário! A Constituição Federal é clara no que se refere a necessidade de uma atitude por parte do governo federal em casos como o do Pinheirinho e tantos outros.
      Entendo o seu respeito e admiração pela Dilma assim como eu também tenho mas isso não faz com que eu me permita cegar diante de erros.
      Sobre o levante contra a Dilma, é tão absurdo que me abstenho de comentar, bem como da comparação minha com um dos alicerces do PIG chamado Noblat.
      É necessário abrir o horizonte, reconhecer erros, apontá-los para que o governo daquela que escolhemos se aprimore.
      Isso é viver em uma democracia.

      Abraços.

      Excluir
  5. Concordo contigo Rodrigo o recorte de classe é critério que pauta reações do estado e mídia frente a fatos como esse. Pedagogia da banalização da injustiça. Em certos casos elas são visíveis em outros...

    ResponderExcluir
  6. A comparação é infeliz. Pinheirinho foi um episódio inteiramente gerenciado por autoridades. A tragédia de Santa Maria-RS é uma ocorrência do momento, atual, cuja presença física da Presidenta devolveu um pouco de esperança e acalento aos familiares vitimados desse horror. A presença do Estado nessas horas consola de algum modo. Mas, Pinheirinho não ficou sem resposta do Governo Federal, o articulista pode ficar certo disso. Nem toda resposta política é dada visualmente. Mas, produziu eficácia, fique bem certo disso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Produziu eficácia? onde, se nenhuma familia até hoje tem casa? Foram mais de oito mil pessoas, muitas delas crianças, idosos e enfermos, totalmente desamparadas, expulsas de suas casas, tendo seus parcos bens destruídos, violentadas pela polícia que deveria protege-las e pelo Governo paulista e prefeitura de SJC e D. Dilma se manifesta dizendo que houve uma barbárie e isso é atuação com eficácia?

      Excluir
    2. Não se pronunciou pontualmente sobre o massacre, não esteve presente no local e não produziu qualquer eficácia para os absurdos que ainda existem lá. A violência continua em SJC.
      É preciso buscar informações (em especial) fora do PIG para realizar o debate.

      Abraços, Anônimo.

      Excluir
  7. Infelizmente, os governantes consideram uns poucos, mais 'iguais' que o restante.

    ResponderExcluir
  8. Prezados Anônimos,

    peço que postem seus comentários com seus nomes. Não há razão para realizarmos o debate dessa forma.

    Saudações.

    ResponderExcluir
  9. Americo José Fontana28 de janeiro de 2013 10:42

    Amigo Rodrigo,
    Daqui para frente te chamo carinhosamente de "MAI"
    Mai, a razão é tua.
    Lembremos o quanto se luta para que as pessoas tenham igualdades nas atitudes!
    Infelizmente o "glamour" do poder atua sempre na necessidade de parecer algo que não se é esquecendo aquilo que deveriamos ser.
    Amigo, continuemos como somos pois somos poucos mas quem sabe em algum momentoseremos muitos.
    PARABENS>
    americo José Fontana
    R.G. 2700 791.

    ResponderExcluir
  10. Sua reflexão e posterior conclusão foram excelentes. Nós, aqui de Realengo, estamos aguardando a "visita" da Excelentíssima Sra. Dilma ATÉ HOJE, devido a mundialmente conhecida tragédia do colégio Tasso da Silveira. Mandou representantes? Sim, mandou. Cancelou seus compromissos "diplomáticos"? Não. Mas foi receber o U2 no aeroporto naquela ocasião. HIPOCRISIA pura. As mães dos brasileirinhos pertecentes à uma classe econômica carente, do ensino público falido, de um bairro da Zona Oeste do Rio, também aguardavam seu apoio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. http://jc3.uol.com.br/blogs/blogjamildo/canais/noticias/2011/04/08/dilma_recebe_bono_vox_e_musicos_do_u2_no_palacio_da_alvorada_97379.php

      Excluir
  11. Assisto com grande surpresa fazerem questionamentos quando os governantes fazem o que é certo. Se a Dilma agiu corretamente ontem, e agiu, ponto, se não agiu em outras ocasiões, que ruim, mas prefiro ver os eleitos agirem algumas vezes que nenhuma... Foi importante a atitude dela, ponto. Li questionamentos sobre prefeitos que determinaram reavaliação das licenças concedidas à casas noturnas, que tem que acontecer uma tragédia para fazerem algo... Ora, porque não questionaram antes seus prefeitos, e só o fazem agora, quando finalmente estão agindo? Vamos acordar e reclamar sempre que algo deixa de ser feito, a omissão é recíproca.

    ResponderExcluir