quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

FELIZ ANO NOVO PRESIDENTE!


Ilustríssima Presidente Dilma,

neste último dia do ano resolvi lhe escrever breves palavras de felicitações por sua reeleição e preocupação com os movimentos sociais e também com a comunicação social, dentre outros temas fundamentais para que o nosso país se torne socialmente justo. Áreas amplamente lembradas nos últimos quatro anos e certamente ainda mais durante o seu próximo governo que será mais progressista, especialmente, com o novo ministério muito bem selecionado por Vossa Excelência.

Aproveito para sugerir pensamentos positivos quando o novo ano chegar e pedir, para o bem da nação, que a senhora não se esqueça de pular as sete ondinhas nesta madrugada. Nunca é demais uma fezinha, ela sempre acaba ajudando mesmo alguém como você que não precisa de ajuda.

A ideia é: a cada onda pulada fazer um pedido para que ele ocorra no ano que acabou de nascer. Como já funcionou comigo, acredito que com a Presidente do Brasil também funcione. No seu caso, a maioria dos pedidos talvez seja para reforçar o que vai muito bem.

Depois de um enorme esforço dos poucos neurônios que esse blogueiro possui, enquanto um simples mortal, cheguei a pequena lista abaixo. Acredito que irá ajudar:

1º pulo: Que o Joaquim Levy continue sendo no Ministério da Fazenda um homem preocupado com os interesses da maioria da população, especialmente, os assalariados deixando para trás o foco nos interesses dos bancos, aqueles que injustamente os comunistas costumam afirmar serem criminosos que agem dentro da legalidade praticando cobrança de juros astronômicos e agiotagem, dentre outras altruístas ações. Quanta bobagem! Além de comerem criancinhas essa turma vermelha certamente cansa a sua beleza mas nada que irá abalar uma estadista como a senhora.

2º pulo: Que o Kassab demonstre no Ministério das Cidades a mesma desenvoltura que demonstrou quando foi prefeito de São Paulo. É um homem revestido do espírito público e terá uma oportunidade única de ampliar a experiência que guardou durante os quatro anos em que, com absoluta competência e visão social, administrou a capital paulista. Seu nome é sinônimo de honestidade e transparência. Incrível escolha!

3º pulo: Na educação que ninguém lembre o que Cid Gomes afirmou há três anos, quando era governador do Ceará e enfrentava uma greve dos professores da rede estadual, que "Quem entra em atividade pública deve entrar por amor, não por dinheiro" e "Quem está atrás de riqueza, de dinheiro, deve procurar outro setor e não a vida pública". O povo nunca teve memória e não seria agora que ela surgiria e muito menos o questionamento se ele como governador abriria mão dos seus vencimentos. Escolha pedagógica!

4º pulo: Na agricultura que o mesmo ocorra com a Kátia Abreu. Mulher com visão progressista comprovada ao receber há alguns anos o troféu motosserra de ouro por ser líder da bancada ruralista no congresso. Aquela mesma que realiza desmatamentos Brasil afora acabará efetivando sua forma de ver a reforma agrária e demarcações de terras indígenas realizando de forma ampla as duas urgentes demandas como jamais se viu.  Vai na fé que a fé não costuma falhar!

5º Pulo: Que a escolha de Juca Ferreira na Cultura seja vista de forma positiva e ousada. Afinal, colocar um sociólogo como ministro poderá criar descontentamento principalmente dos aliados do governo PT desde a carta ao povo brasileiro lá em 2002 um pouco antes de Lula ter sido eleito pela primeira vez. Não se preocupe Presidente, os críticos não sabem o que dizem! Governabilidade acima de tudo. De tudo mesmo!

6º pulo: A comunicação social precisa continuar sendo plural e sem agredir a Constituição Federal. Thomas Traumann que continuará na pasta será fundamental para isso. Sem nenhum trauma será uma das forças para a manutenção do status quo junto com Ricardo Berzoini no Ministério das Comunicações. Esse papo socialista de democratização dos meios de comunicação é tentativa de se criar novamente a censura que a senhora viu tão de perto durante a ditadura. O governo federal continuará repassando milhões por ano para o que os do contra chamam de oligopólio midiático ou PIG (Partido da Imprensa Golpista). Entre os beneficiários desses repasses está a editora abril dona da revista Veja, a mesma que mais uma vez na eleição tentou lhe desqualificar enquanto candidata e a senhora corretamente agiu afirmando que iria processar a publicação dos Civita. Atitude firme e de grande eficácia! Não dê ouvidos aos tais “blogueiros sujos”(apelido dado por um tucano ex-candidato derrotado à presidência se referindo aos blogs que se propõem a lutar pela democracia midiática brasileira) afinal eles não ajudam em nada, pelo contrário, só atrapalham. O que seria da sua candidatura e do PT sem o que eles chamam de PIG?

7º pulo: Que a sociedade esqueça o relatório da Comissão da Verdade sobre os crimes cometidos pela ditadura e tudo fique como simples pesquisa histórica do nosso país. O seu governo já foi longe demais com isso. Só não esqueça de chorar quando o tema for tratado em público. As lágrimas revigoram qualquer governo, especialmente, um com o perfil fortemente social como o seu.

Por fim, como seu eleitor, me despeço cordialmente com a alegria de assistir e comemorar pelas ruas de Brasília à sua segunda posse debaixo de forte sol sabendo que nos salões refrigerados da capital da república estarão comemorando ao seu lado com banquetes e muito champanhe além dos que citei tantos outros ministros que representam a maioria do nosso povo prontos para iniciar os trabalhos do novo governo, com novas ideias e o amplo diálogo com a sociedade.


SIGA O BLOG NO TWITTER

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

FELIZ ANAL!

O Coral ANALino, pelo segundo ano consecutivo, realiza uma emocionante e imperdível homenagem ao natal. 

Que o Deus Mercado abençoe todas as mentes alienadas e mergulhadas no hipócrita e mesquinho mundo do consumismo imposto pelo desumano sistema capitalista.

Feliz Anal a todos!


sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

RELATÓRIO DA COMISSÃO DA VERDADE PRECISA SER APENAS O COMEÇO


A Comissão Nacional da Verdade entregou na última quarta-feira (10/12, dia internacional dos Direitos Humanos) o seu relatório final em cerimônia oficial no Palácio do Planalto à presidenta Dilma Rousseff. O documento dividido em três volumes, apresenta o resultado de dois anos e sete meses de trabalho da Comissão, criada pela lei 12528/2011.

Em maio de 2012, ela passou a existir com a finalidade de esclarecer as circunstâncias e autoria de graves violações de Direitos Humanos praticadas entre 1946 e 1988 com o objetivo de passar a história do país a limpo. Com a finalização dessa etapa ficou clara a necessidade de responsabilizar as forças armadas pelas atrocidades cometidas durante a ditadura civil-militar iniciada com o golpe de 1964 bem como os setores da sociedade civil que apoiaram o governo militar como os velhos meios de comunicação (PIG) e o empresariado, especialmente, o paulista.

O documento apresenta centenas de nomes de cidadãos mortos e desaparecidos pelo regime de exceção bem como a participação de autoridades nesses casos além de propor medidas institucionais como:
  • 1 - Responsabilização das Forças Armadas."Dado o protagonismo da estrutura militar, a postura de simplesmente 'não negar' a ocorrência desse quadro fático revela-se absolutamente insuficiente";
  • 2 - Fim da prescrição e da anistia dos crimes cometidos.
    "A importância do bem protegido justifica o regime jurídico da imprescritibilidade dos crimes contra a humanidade e da impossibilidade de anistia";
  • 3 - Ressarcimento.
    "Cabe, em relação a esses agentes públicos, a proposição de medidas administrativas e judiciais que objetivem o ressarcimento ao erário público das verbas despendidas";
  • 4 - Proibição de comemoração do golpe de 64
    "Essa realidade torna incompatível com os princípios que regem o Estado democrático de direito a realização de eventos oficiais de celebração do golpe militar, que devem ser, assim, objeto de proibição";
  • 5 - Valorizar direitos humanos na seleção de membros das Forças Armadas.
    "Reformulação dos concursos de ingresso e dos processos de avaliação contínua nas Forças Armadas e na área de segurança pública, de modo a valorizar o conhecimento sobre os preceitos inerentes à democracia e aos direitos humanos";
  • 6 - Mudança nos currículos das academias militares e policiais.
    "Tal recomendação é necessária para que, nos processos de formação e capacitação dos respectivos efetivos, haja o pleno alinhamento das Forças Armadas e das polícias ao Estado democrático de direito, com a supressão das referências à doutrina de segurança nacional";
  • 7 - Retificação de causas de morte.
    No caso de pessoas mortas em decorre?ncia de violac?o?es de direitos humanos, como Vladimir Herzog e Alexandre Vannucchi Leme, a causa de morte no atestado de óbito deve ser retificada "de modo célere";
  • 8 - Exclusão de informações sobre registros de perseguição política.
    As informações que envolvam registros de atos de perseguição política e de condenação na Justiça Militar ocorridos no período de 1946 a 1988 da rede nacional de segurança devem ser excluídas. A CNV propõe também a manutenção de banco de DNA de pessoas mortas sem identificação;
  • 9 - Criar mecanismos de prevenção e combate à tortura.
    "A tortura continua sendo praticada no Brasil, notadamente em instalações policiais. Isso se deve até mesmo ao fato de que sua ocorrência nunca foi eficazmente denunciada e combatida pela administração pública";
  • 10 - Desvincular IMLs e órgãos de perícia criminal das SSPs.
    Os institutos médicos legais e os órgãos de perícia devem ser desvinculados das secretarias de Segurança Pública, para que tenham maior autonomia e qualidade, além da criação de centros avançados de antropologia forense e a realização de perícias que sejam independentes e autônomas;
  • 11 - Fortalecimento das defensorias públicas
    O objetivo é garantir o "exercício pleno do direito de defesa e a prevenção de abusos e violações de direitos fundamentais, especialmente tortura e maus-tratos";
  • 12 - Melhoria do sistema prisional e do tratamento dado aos presos.
    "Os presídios são locais onde a violação múltipla desses direitos ocorre sistematicamente. (...) É necessário abolir, com o reforço de expresso mandamento legal, os procedimentos vexatórios e humilhantes pelos quais passam crianças, idosos, mulheres e homens ao visitarem seus familiares encarcerados";
  • 13 - Instituição legal de ouvidorias externas no sistema penitenciário.
    "Os ouvidores devem ser escolhidos com a participação da sociedade civil, ter independência funcional e contar com as prerrogativas e a estrutura necessárias ao desempenho de suas atribuições";
  • 14 - Fortalecimento de conselhos da comunidade.
    Os conselhos, que foram criados em uma lei de 1984, devem ter a composição definida em processo "público e democrático";
  • 15 - Garantia de atendimento médico e psicossocial a vítimas.
    "As vítimas de graves violações de direitos humanos estão sujeitas a sequelas que demandam atendimento médico e psicossocial contínuo, por meio da rede articulada intersetorialmente e da capacitação dos profissionais de saúde para essa finalidade específica. A administração pública deve garantir a efetividade desse atendimento";
  • 16 - Promoção da democracia e dos direitos humanos na educação.
    "A adoção de medidas e procedimentos para que, na estrutura curricular das escolas públicas e privadas dos graus fundamental, médio e superior, sejam incluídos, nas disciplinas em que couberem, conteúdos que contemplem a história política recente do país e incentivem o respeito à democracia";
  • 17 - Apoio a órgãos de proteção e promoção dos direitos humanos.
    Fomento a órgãos como secretarias de Direitos Humanos nos Estados e municípios, além de "valorização dos órgãos já existentes --o Conselho Nacional dos Direitos Humanos, a Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos e a Comissão de Anistia".
Além disso, o relatório apresenta propostas de mudanças em leis e de continuidade nas investigações, tais como:
  • 18 - Revogação da Lei de Segurança Nacional.
    "A atual Lei de Segurança Nacional (lei nº 7.170, de 14 de dezembro de 1983) foi adotada ainda na ditadura militar e reflete as concepções doutrinárias que prevaleceram no período de 1964 a 1985";
  • 19 - Tipificar crime contra a humanidade e de desaparecimento forçado.
    "O pronto cumprimento do dever de criar um tipo penal autônomo, que contemple o caráter permanente desse crime, até que se estabeleça o destino ou paradeiro da vítima e se obtenha a certificação sobre sua identidade, é fundamental para a coibição do desaparecimento forçado";
  • 20 - Desmilitarização das polícias militares estaduais.
    "A atribuição de caráter militar às polícias militares estaduais, bem como sua vinculação às Forças Armadas, emanou de legislação da ditadura militar. Essa anomalia vem perdurando, fazendo com que não só não haja a unificação das forças de segurança estaduais, mas que parte delas ainda funcione a partir desses atributos militares";
  • 21 - Extinção da Justiça Militar estadual.
    "A desmilitarização das polícias estaduais deve implicar a completa extinção dos órgãos estaduais da Justiça Militar ainda remanescentes. Reforma constitucional deve ser adotada com essa finalidade";
  • 22 - Exclusão de civis da jurisdição da Justiça Militar federal.
    "A Justiça Militar, cuja existência deve se restringir ao plano federal, deverá ter sua competência fixada exclusivamente para os casos de crimes militares praticados por integrantes das Forças Armadas";
  • 23 - Suprimir, nas leis, referências discriminatórias das homossexualidades.
    Um exemplo é o artigo 235 do Código Penal Militar, de 1969, do qual se deve excluir a referência à homossexualidade no dispositivo que estabelece ser crime "praticar, ou permitir o militar que com ele se pratique ato libidinoso, homossexual ou não, em lugar sujeito a administração militar";
  • 24 - Fim dos autos de resistência à prisão.
    "Recomenda-se alterar a legislação processual penal para que as lesões e mortes decorrentes de operações policiais ou de confronto com a polícia sejam registradas como 'lesão corporal decorrente de intervenção policial' e 'morte decorrente de intervenção policial', substituindo os termos 'autos de resistência' e 'resistência seguida de morte', respectivamente";
  • 25 - Introdução da audiência de custódia.
    A ideia é garantir a apresentação pessoal do preso à autoridade judiciária em até 24 horas após o ato da prisão em flagrante, em consonância com o artigo 7º da Convenção Americana sobre Direitos Humanos;
  • 26 - Criar órgão para dar continuidade ao trabalho da CNV.
    A comissão sugere que tal órgão tenha membros nomeados pela Presidência da República, representativos da sociedade civil, que, com a ajuda de órgãos já existentes, como o CNDH, a CEMDP e a Comissão de Anistia, "deverá dar sequência à atividade desenvolvida pela CNV";
  • 27 - Continuidade da busca de desaparecidos.
    O objetivo é dar prosseguimento das atividades voltadas à localização, identificação e entrega aos familiares ou pessoas legitimadas, para sepultamento digno, dos restos mortais dos desaparecidos políticos;
  • 28 - Preservação da memória das violações.
    A comissão sugere instalar, em Brasília, um Museu da Memória. Também pede que sejam revogadas as medidas que, durante o período da ditadura, homenageavam autores de violações de direitos humanos, como nome de ruas e logradouros;
  • 29 - Continuidade à abertura dos arquivos militares.
    Prosseguimento e fortalecimento da política de localização e abertura dos arquivos da ditadura militar.
Diante do exposto e desse sério e expressivo trabalho realizado pelos membros da Comissão Nacional da Verdade é preciso reiterar a necessidade de punição uma vez que os crimes cometidos são considerados crimes imprescritíveis (contra a humanidade) deixando clara a necessidade de revogação da lei de anistia para que os milicos que hoje estão de pijamas e vivendo muito bem com gordas aposentadorias pagas por nós cidadãos sejam julgados e diante de comprovações de seus atos criminosos condenados.

Para tanto, o Estado brasileiro através do seu poder institucional e a sociedade civil precisam se mobilizar não se acomodando com a tristeza de rever os crimes cometidos apresentados no relatório correndo para chorar na cama que é lugar quente. É preciso que seja feita justiça! Chorar diante das câmeras e afirmar que a Comissão Nacional da Verdade é apenas uma investigação histórica sem caráter punitivo é se omitir diante da gravidade dos fatos ocorridos. É jogar no lixo a história de tantos cidadãos brasileiros que literalmente deram a vida por este país. E pior, é se igualar à indignidade dos milicanalhas. Diante de tais fatos não existem argumentos de garantia de governabilidade possíveis de serem sustentados para que punições deixem de ocorrer.

Ademais é preciso ressaltar que esse relatório é parte de uma ampla investigação da nossa história e que precisa continuar não apenas com as Comissões que existem por diversas cidades e Estados do país bem como as realizadas por organizações da sociedade civil e universidades mas também pela própria Comissão Nacional. O trabalho entregue ontem é apenas o início do processo de limpeza da nossa história.

Tal situação se apresenta importantíssima não apenas para a democracia e a sociedade brasileira mas também para os militares fazendo com que não se generalize a barbárie para todos os que serviram à época o exército, a marinha e a aeronáutica. O golpe e os crimes cometidos nunca foram unanimidade nos quartéis militares Brasil afora.

Chega de paz e amor, é preciso termos vergonha na cara e exigirmos punição a aqueles que não honraram a farda que vestiam para proteger o país agindo de forma contrária entregando aos interesses do Norte o Estado brasileiro retirando da presidência João Goulart legitimamente eleito pela maioria do nosso povo e mergulhando a nossa sociedade na escuridão da indignidade, do desrespeito com o cidadão, da corrupção, da falência da educação, do descaso com a saúde, da censura, da perda das liberdades individuais, da violência, da tortura, do desaparecimento, do estupro, do sequestro e da morte por vinte e um anos.

O respeito a uma nação passa fundamentalmente pela clareza de sua história.

Para avançarmos enquanto país precisamos conhecer o passado, para entendermos o presente e vislumbrarmos o futuro.

A luta pelo resgate da dignidade da história do Brasil continua!

Reacionários e assassinos não passarão!

SIGA O BLOG NO TWITTER

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

PARA O PIG EXISTE ÁGUA EM SP

 O que é pior: o jornalismo de esgoto praticado pelo PIG ou o esgoto do volume morto ofertado à população pelo desgoverno de São Paulo?

No último domingo (23/11), o PIG através da Revista da Folha (publicada aos domingos junto ao jornalão Folha de São Paulo) trouxe aos leitores uma matéria de capa com o título "Existe água em SP". 
Seguindo a lógica de manipulação da opinião pública realizada desde sempre pelo criminoso oligopólio midiático brasileiro, a matéria afirma que não falta água em São Paulo segundo a percepção da quantidade de rios escondidos sob a selva de pedra. Afirma, indiretamente, que ao contrário do que dizem sobre a falta de água, ela sobra. Seria cômico se não fosse trágico!

É mais uma tentativa de aliviar os seus pares que continuam desgovernando São Paulo há décadas com a atual e alarmante situação de seca. Segundo a revista, a vazão das águas dos rios é compatível com uma Guarapiranga inteira. Mais uma vez, o PIG força tanto a barra para defender a sua turma que chega ao ridículo!

Como forma de comprovar a absurda tese, o texto cita um grupo de estudos sobre os rios paulistas além de blocos de carnaval que apontam para a situação criminosa praticada contra as águas que há séculos corriam a céu aberto e com o desordenado processo de crescimento da cidade passaram a correr escondidas sob o asfalto.

Não existe qualquer citação sobre a realidade da falta de água e as responsabilidades do governo do Estado e da SABESP fazendo com que não se contextualize de forma ampla a situação atual comprovando a má-fé, mais uma vez, do PIG.

Trata-se de uma verdadeira sopa de letrinhas para dar na boca da sociedade anestesiada e alienada fazendo com que a incompetência administrativa daqueles que governam São Paulo não apareça. 

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

VEM MAIS "PAZ E AMOR" POR AÍ DILMINHA?

O PIG afirma que existem rumores vindos de Brasília dando conta de que a ruralista kátia Abreu será indicada por Dilma como Ministra da Agricultura. Conhecendo o jornalismo de esgoto praticado por esse criminoso oligopólio midiático que temos em nosso país é preciso cautela e paciência para que o tempo mostre se Dilma decidirá por seguir a patética lógica "paz e amor" por mais quatro anos ou não.

Reações diante da simples possibilidade citada acima, já surgem.

Confira abaixo a matéria da Carta Capital:

MST ocupa fazenda em protesto contra possível ida de Kátia Abreu para a Agricultura

O MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra) ocupou, no sábado 22, uma fazenda de cultivo de milho no interior do Rio Grande do Sul em protesto contra a possível nomeação da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO) para o Ministério da Agricultura.

A indicação da senadora, presidente da CNA (Confederação Nacional da Agricultura), foi rechaçada por movimentos sociais e setores mais à esquerda do próprio partido da presidenta Dilma Rousseff, o PT.

Na ação de sábado, cerca de 2 mil membros do MST e outros movimentos camponeses ocuparam a Fazendo Pompilho, à beira da BR 158, que liga a cidade de Palmeira das Missões, no Rio Grande do Sul, à região oeste de Santa Cantarina. Eles participavam de um acampamento internacional dos movimentos agrários no município gaúcho antes de invadirem a fazenda de um ex-prefeito da cidade. 

O protesto na propriedade que, segundo o MST, mantém 2 mil hectares de cultivo de milho transgênico, é a primeira manifestação por parte do movimento agrário depois de ter sido divulgada a informação sobre a escolha da senadora como futura ministra da Agricultura no segundo mandato do governo Dilma.

Ruralista, Kátia Abreu é considerada por dirigentes do MST um “símbolo do agronegócio”. “Katia Abreu é símbolo do agronegócio, que tem como lógica a terra para produção de mercadorias, com uso intensivo de agrotóxicos e sementes transgênicas destruindo os recursos naturais e a saúde dos trabalhadores e de toda a população˜, disse Raul Amorim, da coordenação da juventude do MST.

Segundo a organização, a fazenda ocupada foi escolhida pelo uso de sementes transgênicas. O objetivo da ocupação era denunciar o agronegócio que "envenena a terra e contamina a produção dos alimentos e a água”.

No texto de divulgação pelo MST, o protesto foi ironicamente batizado de “Bem-vinda, Kátia Abreu”. Nele ainda, a organização lembra que a ocupação deste sábado na fazenda de Palmeira das Missões é o primeiro de uma série de protestos contra a senadora ruralista.

sábado, 25 de outubro de 2014

IMAGEM DO DIA


  O JORNALISMO DE ESGOTO PRATICADO PELA EDITORA 1º DE ABRIL

AMANHÃ É SIMPLES ASSIM

Neste domingo (26/10) os brasileiros irão às urnas para escolher quem governará o país nos próximos quatro anos.

Diante dessa decisão, uma das mais importantes para a democracia, vale realizar uma breve reflexão sobre os dois projetos que se apresentam.

Vejo que ambos possuem lógicas e referências parecidas no que se refere à manutenção do sistema capitalista desumano ao qual somos submetidos, especialmente, os menos favorecidos.

A partir dessa constatação, analisemos o quadro. 

De um lado temos o Partido dos Trabalhadores com origem no movimento operário fundado em 1980 e no poder há 12 anos buscando mais uma vez a reeleição. Durante este período, implementou no país políticas de distribuição de renda pautadas por uma lógica econômica de Estado capitalista fazendo com que a inclusão social surgisse como nunca se viu em nosso país.
Trata-se de uma forma de criar mecanismos de proteção diante da lógica violenta do sistema aos que sempre estiveram à margem da sociedade. E esse projeto pretende seguir avançando sob essa ótica.

Do outro lado temos o Partido da Social Democracia Brasileira fundado em 1988 com referências europeias de atuação institucional defendendo o parlamentarismo como caminho possível. Junto a isso acredita no neoliberalismo onde o Estado mínimo deve prevalecer e as privatizações também sem preocupação com efetivos programas de assistência social. Ele atua na lógica da meritocracia sem qualquer proteção aos menos favorecidos e muito menos à diminuição da distância entre  ricos e pobres para a sobrevivência na selva do sistema econômico. Ou seja, cada um por si e o Deus Mercado por todos. Este, por sua vez, se apresenta soberano sem qualquer preocupação com desdobramentos sociais causados pelos seus interesses particulares.

Ao final dessa simples reflexão, apesar de não contemplar o que acredito ser o melhor para o meu país diante da inexistência de um projeto emancipatório de nação e de um sistema alternativo diante da perversidade imposta pela desigualdade, escolho o primeiro projeto enquanto cidadão consciente, que busca pesquisar a história da nossa nação sem ódio, sem fanatismo e fora do senso comum.

Que, amanhã, a maioria do povo brasileiro escolha pela continuação do avanço social jamais visto em nosso país.

É Dilma! É 13!

SIGA O BLOG NO TWITTER!

terça-feira, 21 de outubro de 2014

AGORA É DILMA!

 

Vivemos um processo histórico de construção democrática onde foi possível constatarmos durante os últimos 12 anos melhorias sociais importantes alinhando o Estado Brasileiro  pouco mais próximo ao tão sonhado país sem desigualdade e efetivamente democrático.

Ainda há muito a fazer mas não podemos retroceder. Votamos, neste segundo turno, pela reeleição da Presidente Dilma Rousseff, por seu histórico de luta pelas liberdades democráticas ainda no período da fatídica ditadura civil-militar, por ter um programa de governo que, pelo menos, diminui a agressividade do desumano sistema ao qual estamos submetidos especialmente aos menos favorecidos e por sua honestidade.

Votamos na crença de que as reformas se tornem mudanças e que elas se iniciem no campo da representatividade política.

Votamos por um país cada vez mais igualitário e justo.

Votamos por mais acesso à educação em qualquer nível de escolarização.

Votamos para que o STF siga independente como efetivamente foi nos últimos 12 anos, fato nunca antes visto em nosso país apesar dos graves erros cometidos por essa Corte.

Votamos pela continuidade da atuação da Polícia Federal que nunca trabalhou tanto como no atual governo. Ela precisa seguir independente bem como o Ministério Público e os Tribunais de Contas.

Votamos pela liberdade de expressão e pela democratização dos meios de comunicação. Apesar do atual governo falhar nesse ponto seguimos lutando por essa pauta absolutamente necessária.

Votamos pela defesa da nossa lei Maior, a Constituição Federal de 1988.

Votamos pela luta dos movimentos sociais e dos Direitos Humanos.

Votamos pela diversidade e o reconhecimento do Direito à Diversidade Sexual.

Votamos pelo debate aberto com a sociedade sobre o direito ao aborto.

Votamos pela construção de escolas, clubes e bibliotecas públicas ao invés de presídios e contra a redução da maioridade penal.

Votamos no governo que criou a Lei de Acesso à Informação e o Marco Civil da Internet,  a Lei da Comissão Nacional da Verdade, a Lei das Parcerias entre Administração Pública e Organizações da Sociedade Civil.

Votamos pelas Defensorias Públicas estruturadas e autônomas bem como os Centros de Conciliação espalhados pelo país desentupindo as veias do judiciário.

Votamos pela defesa da liberdade religiosa em um Estado Laico sem tergiversações.

Votamos pela continuação dos inúmeros programas sociais para que a miséria, o analfabetismo, a falta de atendimento à saúde e a falta de moradia sejam erradicados.

Votamos pela continuidade do fortalecimento da nossa economia e controle da inflação.

Votamos por uma América Latina unida e forte que deixou de lado, nos últimos anos, o complexo de vira-lata.

Votamos pela não privatização da Petrobras, pela manutenção do pré-sal sob domínio brasileiro, do Banco do Brasil, das Universidades Federais e demais entidades estrategicamente fundamentais para a nossa nação.

Nós, membros dessa jovem Associação de Direitos Humanos, optamos pela continuidade do crescimento social em nosso país, certos de que esse processo será ampliado fazendo com que o ódio, a ignorância e o conservadorismo reacionário presentes por mais de 500 anos em nossa história sejam derrotados, mais uma vez, pela vontade da maioria do povo brasileiro.

VOTAMOS DILMA! VOTAMOS 13!


MANIFESTO EM SÃO PAULO PRÓ-DILMA. ISSO O PIG NÃO MOSTRA

Mantendo a tradição, mais uma vez, a PUC-SP com professores, funcionários, alunos e cidadãos mostraram como se pratica cidadania e consequentemente democracia.

Mais de duas mil pessoas marcaram presença no TUCA, teatro da universidade, em um manifesto de apoio a Dilma na noite de ontem (20/10).

Que me desculpem os partidos conservadores mas militância como essa, onde os cidadãos se organizam voluntariamente, só o Partido dos Trabalhadores tem.

Não precisa crer, basta ver!


SIGA O BLOG NO TWITTER!

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

DESAFIO!


Aos eleitores de Aécio Neves lanço um desafio até o dia da eleição (26/10):  justifiquem o voto em seu candidato com argumentos que não estejam impregnados de senso comum como o ódio ao Lula, ao PT e a Dilma. Peço que me apresentem fatos e não apenas "ouvi dizer", "é porque é", "todo mundo diz", "saiu na Veja", o "Bonner falou" e coisas do tipo.

Me apontem uma razão para que seja possível acreditar que os tucanos representam a "nova política".

Valendo!


SIGA O BLOG NO TWITTER!

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

CONTINUAMOS NA LUTA SENADOR SUPLICY!


Dos Advogados para a Democracia 

O Coletivo Advogados para a Democracia lamenta a derrota de Eduardo Matarazzo Suplicy, um dos mais importantes representantes do povo paulista da história do Senado Federal, nas eleições ocorridas no último domingo.

Cidadão convicto das necessárias lutas sociais em favor de um país sem desigualdade, soberano e efetivamente democrático, Suplicy deixou de ser reeleito depois de 24 anos de legítima representatividade. Senador da transparência, das ruas com participação direta junto ao povo em defesa da dignidade e dos Direitos Humanos.

Não há luta social na história recente do nosso país sem a presença dele.
 
Ao final da apuração, ainda na noite do último domingo, Suplicy afirmou que mesmo com a derrota "podem continuar me ligando" e é exatamente o que, os grupos organizados da sociedade e cidadãos em geral inconformados com a lógica desumana em que nos encontramos, continuaremos a fazer.

A derrota nas urnas não irá abalar a luta por uma sociedade que acreditamos.

Sigamos! 

SIGA O BLOG NO TWITTER!

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

FRASE DO DIA


"Números do GLOBOPE* confirmam que entre tomar banho e tomar no cu, os paulistas preferem tomar no cu."

*GLOBOPE: o braço armado da mídia golpista.

domingo, 5 de outubro de 2014

sábado, 4 de outubro de 2014

FALTAM ÁGUA E VERGONHA NA CARA

Na última sexta-feira (3/10), o governador de São Paulo Geraldo Alckmin foi traído pela sua própria hipocrisia. 

 

Seguindo a tradição de sair às ruas, conversar e fotografar com o povo apenas nos momentos de eleição, posou para mais uma foto a pedido de um grupo de estudantes, certo de que eram suas eleitoras, foi surpreendido com uma manifestação contra ele.

 

No momento do registro da imagem, uma delas sacou do bolso uma folha de papel com os dizeres "Cadê a água?" e quando Alckmin percebeu já era tarde.

 

O governador mais uma vez mente (relembre apenas uma das mentiras desse cidadão) e reafirma que é o herdeiro no campo da representatividade política em São Paulo de figuras nefastas como Adhemar de Barros e Paulo Maluf que sempre tiveram a mentira como uma de suas mais importantes pautas.

 

Isso porque vários bairros da cidade de São Paulo, periferia e cidades do interior há tempos passam pelo racionamento devido à falta de água que o tucano chegou a afirmar mais de uma vez, mentirosamente e desavergonhadamente, em entrevistas e debates que esse problema não existe.

 

Por essa e tantas outras situações indignas que continuam ocorrendo durante esses mais de 20 anos de desgoverno tucano posso afirmar que o "picolé de chuchu" e sua "tchurma" jamais terão o meu voto.

 

Não podemos abrir mão da nossa dignidade! Lutemos sempre por ela! Demagogos não passarão!


quarta-feira, 24 de setembro de 2014

MAIS UM DIA NA ESCOLA

 
O despertador tocou
Levanto como um robô
Sem poder raciocinar
Sigo em direção ao torturador

Passo pela primeira grade
Me esbarrando em outros como boi pronto para o abate
Sob olhares vigilantes do executor
 
O sinal gritou
Todos para a cela
Doutrinados sem querer saber quem gostou
 
De repente mais um despertador
É hora do banho de sol libertador
Curto como a liberdade ele termina
E logo estou de volta para a minha sina
 
Desrespeito, ordem, gritos e ameaças
Me concentro em tudo e em nada do que está ao meu redor
A mente tenta renascer mas sem conseguir se entrega ao sistema e suas desgraças
 
Exigem o que nunca me deram
Me dão o que querem exigir
De acordo com a conveniência da hipocrisia

Chegou o último grito avisando que acabou
Mera ilusão de um cidadão alienado pelo tutor
Atordoado e enganado de que aquilo irá me fazer doutor

Deixo as grades para trás pronto para pedir ao mundo esmola
Esse foi mais um dia na escola